#SIA2020

Luciana de Souza



Título: O arquivo pessoal do artista Milson Henriques: seu tratamento arquivístico e a questão dos documentos fotográficos de arquivo.

Área temática: Arquivos pessoais

Autores: Luciana de Souza

Palavras-Chave: Arquivo Pessoal, Arquivologia, Classificação, Descrição, Fotografia



Resumo: Milson Henriques nasceu em São João da Barra (RJ), em 9 de maio de 1938. Aos 5 anos vai residir em Campos (RJ) com a família. Em 1952, devido a desavenças com o pai, foge de casa e começa um processo de contínuo deslocamento passando por diversas cidades até chegar a Vitória-ES. Sua intenção era permanecer pouco tempo, reunir recursos e seguir, em exílio voluntário, rumo ao Uruguai. O que o artista de múltiplos talentos não imaginava, é que o então pacato estado do Espírito Santo seria seu endereço fixo nas décadas seguintes. O Espírito Santo, na primeira metade dos anos de 1960, era considerado basicamente agrário. A partir dos governos de Christiano Dias Lopes (1967-1971) e Arthur Carlos Gerhardt Santos (1971-1974), que iniciaram os investimentos na industrialização e na produção de bens intermediários, o estado passaria a integrar o modelo de desenvolvimento brasileiro, assumindo um aspecto urbano e industrial. Tal atraso no desenvolvimento do estado, contribuiu para a permanência de Milson Henriques, que possuía como um de seus maiores dotes artísticos, o desenho. Descobriu que Vitória ainda não possuía uma agência de publicidade e passou a pintar placas de propaganda na beira da estrada, o que lhe deu visibilidade para ser contratado por empreendedores que construíam um edifício na cidade, para que pintasse numa grande placa, a imagem do prédio concluído. O artista trabalhou como arte-finalista na primeira agência de publicidade da cidade, que foi a porta de entrada para o meio intelectual e artístico que concentrava-se no centro da cidade. Milson Henriques é conhecido por sua contribuição no teatro, literatura e, principalmente, como chargista. Criou a personagem Marly, que com um humor ácido, contava histórias em formato de tirinhas, que eram publicadas nos jornais de grande circulação. Seu acervo é fonte de inesgotáveis possibilidades de pesquisa. Apresenta características marcantes, sendo possível resgatar fotografias de peças de teatrais e de viagens, posters produzidos de próprio punho e recortes de jornais. O acervo do cartunista Milson Henriques ficou sob a custódia da família, após o seu falecimento em 2016, aos 78 anos e doado ao Arquivo Público do Estado do Espírito Santo (APEES). Toda a documentação doada apresenta informações importantíssimas para compreensão da cena cultural capixaba dos anos 1960 a 1990. É possível encontrar nos arquivos documentos inéditos que ajudam a revelar um pouco da história do teatro capixaba. O objetivo do poster é apresentar as especificidades da fotografia como documento de arquivo do acervo pessoal do cartunista Milson Henriques. A metodologia aplicada será a pesquisa na literatura especializada no campo da Arquivologia e da Ciência da Informação, baseada em fontes bibliográficas sobre arquivos pessoais e documentos fotográficos, bem como o estudo arquivístico sobre classificação e descrição do acervo do cartunista, que está em processo de organização e identificação das imagens, o que irá contribuir para uma melhor classificação das fotografias, considerando as atividades realizadas pelo artista. Como resultados finais teremos a reconstrução da história arquivística do acervo pessoal de Milson Henriques, bem como a elaboração de uma proposta de classificação e descrição arquivistica normalizada para o acesso aos arquivos e uma análise do documento fotográfico de arquivo no acervo pessoal. O tratamento arquivístico, a digitalização e a disponibilização do acervo, constitui um importante meio para ampliar o alcance do debate, da reflexão e da pesquisa sobre o desenvolvimento do estudo da fotografia como documento de arquivo em acervos pessoais.

18 visualizações0 comentário
Associe-se à ARQ-SP
  • c65f9eac24be62dfdcc5f509a32930f8-curso-d
  • Facebook - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle